Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Lua de Saturno Titã pode ter um oceano abaixo da superfície

 

Nos sete anos que a Cassini já passou em órbita do Planeta Saturno, a sonda enviou muitos dados que mudaram o modo como vemos o planeta dos anéis e as suas luas. A maior lua de Saturno, Titã, tem sido um foco particular de atenção devido à sua densa e completa atmosfera, à sua meteorologia e aos seus lagos e oceanos.

Agora parece que Titã é ainda mais estranha. As evidências vêm de cuidadosas observações da órbita e da rotação de Titã. Isto indica que Titã tem uma órbita similar à nossa Lua: mostra sempre a mesma face na direção de Saturno e o seu eixo de rotação está inclinado cerca de 0,3 graus.

Em conjunto, estes dados permitem aos astrônomos calcular o momento de inércia de Titã e isto indica algo interessante. Os números mostram que o momento de inércia pode apenas ser explicado se for um corpo sólido que é mais denso perto da superfície do que no seu centro.

Isto é estranho - quase impensável, dado o que sabemos acerca da formação dos planetas e satélites.

Mas há no entanto ainda outra explicação: Titã não é sólido.

Rose-Marie Baland e colegas do Observatório Real da Bélgica em Bruxelas, concluiram um estudo para determinar se um modelo líquido é compatível com o momento de inércia medido. "Assumimos a presença de um oceano de água líquida por baixo da camada de gelo e consideramos as forças gravitacionais e pressões que nascem entre as diferentes camadas do satélite," afirmam.

A sua conclusão é que o momento de inércia de Titã pode bem ser explicado pela presença de um oceano líquido por baixo da superfície.

A química do oceano é um fator importante no cálculo da sua profundidade e da espessura da camada de gelo por cima. Baland e companhia assumem que deve consistir de água. Tal parece ser uma suposição curiosa dado que a atmosfera de Titã contém enormes quantidade de metano e outros hidrocarbonetos.

Os astrônomos há muito que sabem que o metano é rapidamente quebrado pela luz solar. Por isso o metano em Titã já devia ter desaparecido há muito tempo... a não ser que esteja a ser reabastecido a partir de um reservatório interno. Um gigantesco oceano de metano, talvez?

Os cálculos da equipe de Baland teriam que ser refeitos para um oceano de metano, para determinar a relação mecânica e termodinâmica entre o gelo de metano e o seu estado líquido.

É também importante notar que há outra explicação para o estranho momento de inércia de Titã. Os cálculos assumem que a órbita da Lua encontra-se estável mas é também possível que a órbita de Titã esteja em mutação, talvez devido à próxima passagem de um grande objeto, ou cometa ou um asteroide, por exemplo.

Por isso embora as análises de Baland e da sua equipa sejam boas evidências de um oceano abaixo da superfície de Titã, não é ainda certo. Ainda há alguns problemas a resolver.

Comentários:


Política de privacidade  |  Mapa do Site