Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Imagens comparam crateras de impacto na Terra e na Lua

 

Mesmo que sejam bastante grandes e consigam sobreviver ao forte calor da reentrada na atmosfera, invariavelmente os meteoritos são destruídos pelo choque, dando origem às chamadas crateras de impacto. Na Terra, essas marcas são praticamente varridas com o passar do tempo, mas na Lua as crateras são praticamente eternas.

Em nosso planeta, diversos fatores são os responsáveis pelo desaparecimento das marcas do impacto, entre eles a ação dos ventos, da água e vegetação e com raras exceções, até mesmo as crateras de grande porte são destruídas pelo movimento das placas tectônicas. Na Lua, os únicos agentes que podem modificar as crateras são o vento solar e impactos posteriores, por isso uma cratera considerada ainda jovem pode ter centenas de milhões de anos.

Imagens comparam crateras de impacto na Terra e na Lua

As imagens mostradas comparam duas crateras consideradas jovens, localizadas na Lua e na Terra. Ambas têm resolução de 2 metros por pixel e recebem iluminação oblíqua vinda da direita.

Cratera Lunar

Na Lua, as raias brilhantes ao redor da cratera Tsander indicam que o impacto é relativamente recente e ocorreu a menos de 500 milhões de anos. Os cientistas sabem disso porque o material ejetado após o choque escurece com o tempo e neste caso o material ainda é bastante claro. A cena também mostra os seixos formados pelo pó lunar comprimido salpicando o fundo da cratera. A imagem foi obtida pela câmera LROC a bordo da sonda LRO em órbita da Lua desde 23 de junho de 2009.

Imagens comparam crateras de impacto na Terra e na Lua

Cratera Terrestre

Por outro lado, a cratera terrestre conhecida como Cratera do Meteoro tem apenas 50 mil anos e os sinais da erosão são facilmente perceptíveis, apesar de extremamente bem preservada. A cratera se localiza no platô do Colorado, nos EUA, e foi formada pelo impacto de um asteroide de 46 metros de diâmetro composto principalmente de níquel e ferro, que se fundiram e vaporizaram com o choque.

Inicialmente, a colisão formou uma cratera de 1200 metros de diâmetro por 210 metros de profundidade, mas a constante erosão preencheu parcialmente o local, reduzindo sua profundidade a menos de 150 metros. Camadas de calcário e arenito expostos são claramente visíveis ligeiramente abaixo da borda e foram escavados pelo violento choque.

Origem da Lua

Os impactos têm moldado a Terra e a Lua desde o início do Sistema Solar. Ao que tudo indica, a Lua se formou quando um planeta ainda em formação com aproximadamente o tamanho de Marte se chocou com a Terra há 4.5 bilhões de anos. A cataclísmica colisão espalhou material dos dois objetos ao redor da órbita da Terra, que lentamente se juntaram e deram origem à Lua.

Ainda hoje, tanto a Terra como a Lua sofrem com o bombardeio de objetos. Diariamente a Terra é atingida por micro meteoritos, mas objetos de grande porte são menos frequentes quando comparado à época do início do Sistema Solar. Estima-se que asteroides com 50 metros de diâmetro, similares ao que produziu a Cratera do Meteoro atinjam a Terra a cada 1 mil ou 2 mil anos, enquanto objetos com mais de 1000 metros só o façam a cada 100 mil anos.

Comentários:


Política de privacidade  |  Mapa do Site