Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Sonda Cassini descobre provável vulcão de gelo em Lua de Saturno

 

A sonda da NASA Cassini descobriu possíveis vulcões de gelo na lua do planeta Saturno, Titã, similares àqueles na Terra mas que expelem rocha derretida.

Os dados topográficos e a composição da superfície da lua permitiram aos cientistas obter o melhor caso, até agora e no Sistema Solar exterior, para uma formação vulcânica tipo-Terra que liberta gelo. Os resultados foram apresentados numa reunião da União Americana Geofísica em São Francisco - EUA.

"Quando observamos o nosso novo mapa tridimensional de Sotra Facula em Titã, ficamos surpresos com as semelhanças com vulcões como o Monte Etna na Itália, Laki na Islândia e até outros cones vulcânicos menores," disse Randolph Kirk, que liderou o trabalho em 3-D, membro da equipe de radar da Cassini e geofísico do Centro Científico de Astrogeologia do USGS (U.S. Geological Survey) em Flagstaff, Arizona, EUA.

Os cientistas debatem há anos acerca da existência de vulcões de gelo, também chamados criovulcões, em luas ricas em gelo, e se realmente existem, quais são as suas características. A definição atual assume tipos de atividade geológica subterrânea que aquece o ambiente frio para derreter parte do interior do satélite e liberta gelo ou outros materiais através de aberturas à superfície. Os vulcões na lua de Júpiter, Io, e na Terra, expelem lava de silicato.

Alguns criovulcões têm poucas aparências com vulcões terrestres, tais como os das listas de tigres na lua de Saturno, Encelado, onde longas fissuras expelem jatos de água e partículas de gelo que deixam poucos traços à superfície. Noutros locais, a erupção de materiais mais densos "constroem" picos vulcânicos ou fluxos parecidos a dedos. Mas quando esses fluxos foram avistados em Titã no passado, as teorias explicaram-nos como processos não-vulcânicos, tais como rios que depositam sedimentos. Em Sotra, no entanto, o criovulcanismo é a melhor explicação para dois picos com mais de 1000 metros e com profundas crateras vulcânicas e fluxos tipo-dedos.

"Esta é a melhor evidência, até agora, de topografia vulcânica já documentada num satélite gelado," afirma Jeffrey Kargel, cientista planetário da Universidade do Arizona. "É possível que as montanhas sejam de origem tectônica, mas a interpretação de criovulcão é muito mais simples e com uma explicação mais consistente."

Kirk e colegas analisaram novas imagens de radar da Sonda Cassini. O seu grupo do USGS criou mapas topográficos e tridimensionais de Sotra Facula. Os dados do espectrômetro da Cassini revelaram que os fluxos têm uma composição diferente da superfície vizinha. Os cientistas não obtiveram evidências de atividade atual em Sotra, mas planeiam estar atentos à área.

"Os criovulcões ajudam a explicar as forças geológicas que esculpem alguns destes lugares exóticos no nosso Sistema Solar," afirma Linda Spilker, cientista do projeto Cassini no JPL da NASA em Pasadena, Califórnia, EUA. "Em Titã, por exemplo, explicam como é que o metano pode ser continuamente reabastecido na atmosfera quando o Sol quebra a molécula constantemente."

A Cassini foi lançada a 15 de Outubro de 1997 e começou a orbitar Saturno em 2004. Saturno tem mais de 60 luas conhecidas, sendo Titã a maior.

Comentários:


Política de privacidade  |  Mapa do Site