Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Uma Galáxia elegante numa nova imagem

 

A nova imagem obtida com a poderosa câmera HAWK-I montada no telescópio VLT da organização Observatório Europeu Austral (ESO), no Observatório do Paranal, no Chile, mostra a galáxia NGC 1365 no infravermelho, uma bela galáxia espiral barrada. A NGC 1365 faz parte do aglomerado de galáxias Fornax, localizado a 60 milhões de anos-luz de distância da Terra.

A NGC 1365 é uma das mais conhecidas e estudadas galáxias espirais barradas, também chamada, às vezes, de Grande Galáxia Espiral Barrada, devido à sua forma perfeita, com uma barra bem definida e dois braços espirais externos muito proeminentes. Próximo do centro encontra-se uma segunda estrutura em espiral. Toda a galáxia está delicadamente embrulhada em bandas de poeira.

Esta galáxia é um excelente laboratório para o estudo da formação e evolução das galáxias espirais barradas. As novas imagens infravermelhas do HAWK-I são menos afetadas pela poeira que obscurece partes da galáxia do que as imagens em luz visível, revelando por isso, de maneira bastante nítida, o brilho de um grande número de estrelas localizadas tanto na barra como nos braços espirais. Os dados foram adquiridos no intuito de se compreender o funcionamento da complexa corrente de matéria localizada no interior da galáxia e de que maneira esta corrente afeta os depósitos de gás a partir dos quais se formam novas estrelas. A enorme barra perturba a forma do campo gravitacional da galáxia originando regiões onde o gás é comprimido, o que provoca a formação estelar. Aglomerados estelares jovens grandes delineiam os braços espirais principais, cada um contendo centenas ou milhares de estrelas jovens brilhantes com menos de dez milhões de anos de idade. A galáxia encontra-se afastada demais para que possamos distinguir estrelas individuais, conseqüentemente muitos dos pequenos nós visíveis na imagem são na realidade aglomerados estelares. A taxa de formação estelar média em toda a galáxia é de quase três massas solares ao ano.

Embora a barra da galáxia seja principalmente constituída por estrelas mais velhas, muitas estrelas novas nascem nas maternidades estelares de gás e poeira localizadas no braço espiral interior próximo do núcleo. A barra também canaliza gravitacionalmente gás e poeira para o centro da galáxia, onde os astrônomos encontraram evidências da presença de um buraco negro de elevada massa, bem oculto entre os milhares de novas estrelas intensamente brilhantes.

A NGC 1365 tem uma dimensão de quase 200000 anos-luz, incluindo os dois enormes braços espirais. As diferentes partes da galáxia levam tempos diferentes para completar um giro ao redor do centro, sendo que a zona mais exterior da barra demora 350 milhões de anos para completar um circuito. A NGC 1365 e outras galáxias do mesmo tipo foram observadas mais atentamente em anos recentes quando novas observações indicaram que a Via Láctea poderia também ser uma galáxia espiral barrada. Este tipo de galáxias é bastante comum: dois terços de todas as galáxias espirais são barradas, de acordo com estimativas recentes, e por isso estudar outras galáxias do mesmo tipo poderá ajudar os astrônomos a melhor compreenderem a nosso próprio lar galáctico.

NGC1365

(Fonte: http://www.eso.org/public/news/eso1038/)

Comentários:


Política de privacidade  |  Mapa do Site