Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Vocabulário Astronômico - Letra "O"

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

- Oberon

 Oberon Oberon (UIV) é um dos maiores dos 18 satélites de Urano e foi descoberto em 1787 por W. Herschel (Reino Unido). Ele tem um diametro de 1523 km e uma massa de 3,03 x 1021 kg. Sua órbita está a uma distância média de 582600 km de Urano. A superfície de Oberon é coberta por várias crateras, o que indica uma superfície velha, e também por gelo.

- Objetos centauro

Chamamos de "objetos Centauro" alguns "asteroides" com características bastante peculiares e que estão situados no Sistema Solar mais externo. Entre eles temos 2060 Chiron (também classificado como cometa 95 P/Chiron) e que está em órbita entre Saturno e Urano. Outro objeto Centauro é 5335 Damocles cuja órbita varia de próxima a Marte até além de Urano. O objeto Centauro 5145 Pholus tem uma órbita que vai de Saturno até além de Netuno. Existem provavelmente muitos mais objetos Centauro mais tais objetos com órbitas que cruzam a órbita de planetas são instáveis e eles provavelmente serão perturbados no futuro. A composição destes objetos é, provavelmente, mais parecida com aquela de cometas ou dos objetos do cinturão de Edgeword-Kuiper do que a composição de asteroides ordinários. Em particular, Chiron é agora classificado como um cometa.

- Objetos compactos

É o nome que damos aos objetos de grande densidade e com um raio muito pequeno (muito menor do que o do Sol) que se formam como resultado do processo de evolução das estrelas. Ao atingirem seus últimos estágios de evolução, as estrelas com grande massa passam por processos de transformação que mudam radicalmente o seu aspecto e a sua física interior. Algumas estrelas produzem nebulosas planetárias deixando sua região central exposta sob a forma de uma estrela anã branca. Outras estrelas simplesmente explodem como supernovas, podendo se desintegrar totalmente ou deixar uma estrela residual, que é uma estrela de neutrons. Finalmente, se a estrela possui uma massa exageradamente grande ela sofre um colapso gravitacional tão violento que tem como resultado final a formação de um buraco negro. Quando falamos objetos colapsados estamos nos referindo, indistintamente, a estrelas anãs brancas, estrelas de neutrons ou buracos negros, embora a física que descreve cada um destes objetos seja bastante particular a cada um deles.

 - Objetos Herbig-Haro

Herbig-Haro 2 São objetos encontrados em regiões onde novas estrelas estão se formando. Eles são nebulosas, ou nuvens de poeira e gás. Os objetos Herbig-Haro se formam quando gás de alta velocidade emitido por estrelas jovens colidem com nuvens de material interestelar. A colisão aquece o gás na nebulosa circundante até temperaturas suficientemente altas para produzir raios X.

- Objetos Trans-netunianos (TNO - Trans Neptunian Objects)

São planetas menores, ou seja, pequenos planetesimais feitos de rocha e gelo cujas órbitas em torno do Sol tem um semieixo maior que os coloca além da órbita de Netuno embora alguns deles tenham o seu periélio dentro da órbita de Netuno. Eles são objetos do cinturão de Edgeword-Kuiper deixados como restos desde a formação do Sistema Solar. Pode ser que o planeta Plutão seja um TNO, se bem que um TNO um tanto massivo. Aproximadamente 200 transnetunianos foram descobertos mas existem muito mais.

- Ocular

Uma combinação de lentes usada para ver as imagens formadas nos telescópios.  Áreas variáveis podem ser vistas com diferentes oculares. Alguns oculares corrigem melhor as aberrações cromáticas e esféricas do que outras, alguns deixam mais espaço entre os olhos do observador e as lentes, e alguns evitam mais do que outros a formação de imagens duplas ocasionadas pelas reflexões no telescópio e na ocular.

- Olbers

Heinrich Wilhelm Matthäus Olbers 1758-1840. Médico, astrônomo e físico alemão que em 1781 determinou que Urano era um planeta e não um cometa como alguns acreditavam. Ele também descobriu os asteroides Palas em 1802 e Vesta em 1807 e em 1815 descobriu o cometa que hoje tem o seu nome, o cometa Olbers, além de formular um método para calcular as órbitas dos cometas. Em 1823 Olbers publicou o chamado paradoxo de Olbers que perguntava "Porque o céu é escuro à noite?"ou então "Porque a luz das estrelas não faz o céu noturno brilhante? ".

- Ondas Eletromagnéticas

Uma onda de energia elétrica e magnética que é gerada quando uma carga elétrica é acelerada. A radiação eletromagnética se propaga de um modo ondulatório e, por este motivo, também é chamada de onda eletromagnética.

- Ônibus espacial

Espaçonave orbital de sucesso desenvolvida pela NASA com o intuito de levar astronautas até alguma estação espacial. Este objetivo primário só foi alcançado quase 20 anos depois dos inícios das operações, quando o Discovery se encontrou com a Mir em 3 de fevereiro de 1995.

Dentre as centenas de missões efetuadas pelos ônibus espaciais construídos destacam-se as de conserto do Telescópio Espacial Hubble e as mais recentes de transporte de astronautas e materiais para a ISS.

Foram construídos cinco ônibus: Columbia, Challenger, Discovery, Atlantis e Endeavour.

Dois deles, o Challenger e o Columbia, foram destruídos em duas tragédias nas quais perderam a vida toda a tripulação. Os outros três continuam ativo mas tem previsão de serem substituídos por veículos espaciais de nova geração a partir da próxima década.

- Oort

Jan Hendrik Oort 1900-1992. Astrônomo dinamarquês que fez importantes contribuições ao conhecimento da estrutura e rotação da nossa Galáxia. Mais ou menos como um trabalho em paralelo, Oort também estudou os cometas. Como resultado deste trabalho surgiu a teoria, agora amplamente aceita, de que o Sol está circundado por uma nuvem distante de material cometário, agora conhecida como Nuvem de Oort. Pedaços deste material são ocasionalmente arremessados para dentro do Sistema Solar como cometas.

- Ophelia

Ophelia satélite de Urano descoberto em 1986 pela sonda espacial Voyager 2.

 

- Oposição

no caso dos planetas superiores, cujas distâncias heliocêntricas são maiores do que 1 unidade astronômica, quando estes planetas estão do lado oposta da Terra em relação ao Sol, eles são ditos estarem em oposição e a distância deles está em um mínimo (para aquela aparição particular).

- Óptica Adaptativa

É um processo pelo qual distorções (como aquelas que se originam por causa da atmosfera da Terra) são removidas da imagem de um telescópio em tempo real. Os sistemas de óptica adaptativa são desenhados para remover o contínuo embaçamento causado pelo fato de observarmos objetos astronômicos através da atmosfera da Terra, que está em constante movimento. Um sistema de óptica adaptativa, em geral, sente primeiro a natureza da distorção e então usa um espelho flexível, controlado por computador, para corrigir a imagem do objeto que está sendo observado. A grande vantagem de um sistema de óptica adaptativa é que ele fornece a capacidade de vermos detalhes muito mais refinados do que seria possível normalmente usando telescópios baseados na Terra e que não possuem este sistema. Existem várias variantes de sistemas de óptica adaptativa.

- Órbita

Mma trajetória específica seguida por corpos celestes, tais como planeta, satélites naturais, etc., ou por algum corpo artificial, tal como foguetes, satélites artificiais, etc.

- Órbita síncrona

Um objeto celeste está em órbita síncrona se seu período de rotação coincide com seu período orbital. A Lua, em órbita síncrona com a Terra, apresenta somente uma de suas faces para a Terra.

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Política de privacidade  |  Mapa do Site