Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Messier 31 - Galáxia de Andrômeda

 

Galáxia de Andrômeda
Messier 31 - Galáxia de Andrômeda
Galáxia de Andrômeda
Dados observacionais (J2000)
ConstelaçãoAndromeda
TipoSA(s)b espiral barrada
Asc. reta00h 42m 44,3s
Declinação+41° 16' 09"
Distância2,52 M anos-luz (773 kpc)
Redshift-0.001001
Magnit. apar.+4.36
Dimensões178' × 63'
Características físicas
Raio110 mil anos-luz
Magnit. abs.−20.0
SatélitesM32, M110
Outras denominações
M31, NGC 224, PGC 2557, UGC 454,
MCG 7-2-16
Galáxia de Andrômeda

NGC 224, Messier 31 ou M31, popularmente conhecida como Galáxia de Andrômeda é uma galáxia espiral localizada a cerca de 2.900,000 anos-luz (0,889 megaparsecs) de distância na direção da constelação de Andrômeda.

Possui entre 180 e 220 mil anos-luz de diâmetro, uma magnitude aparente de 3,5, uma magnitude absoluta de -21,4, uma declinação de +41º 16' 06" e uma ascensão reta de 00 horas, 42 minutos e 44,3 segundos. É a maior galáxia do Grupo Local de galáxias, ao qual pertence a Via Láctea, onde se localiza o planeta Terra, superada apenas pelas Nuvens de Magalhães em extensão e brilho aparente.

Curiosidade

A existência da galáxia NGC 224 " relatada no ano 905 pelo astrônomo persa Azofi" que ocupa uma grande área no céu, é o maior corpo celeste visivel o ano inteiro, contudo foi só com a invenção da luneta telescópica que em 1612 o astrônomo alemão Simon Marius pôde observá-la e finalmente "redescobri-la".

Outras curiosidades

Estudiosos e cientistas conseguiram prever, através de uma série de cálculos, a possibilidade de ocorrer uma colisão entre a Via Láctea e Andrômeda, que é a galáxia mais próxima da nossa. Teoricamente, o impacto aconteceria em cerca de 5 bilhões de anos, e nessa data talvez a vida na terra nem exista mais da forma como a conhecemos. Embora exista a possibilidade, os danos que tal colisão causaria são mínimos, e isso se deve ao fato de os espaços entre os planetas ser muito grande, reduzindo drasticamente a chance de colisões, o que também explica o fato de o sistema solar raramente entrar em contato com algum outro corpo celeste ao passar pelas nuvens mais densas da Via Láctea.


Política de privacidade  |  Mapa do Site