Astronomia Amadora

Página Inicial
Introdução
História
Notícias
Big Bang
Via Lactea
Cosmologia
Galáxia
Buraco Negro
Sistema Solar
Estrela
Constelações
Classificação estelar
Catálogo Messier
Astrônomos
Estrelas + brilhantes
Imagens
Instrumentos
Curiosidades
Programas
Glossário
Links
Livro de Visitas
E-mail

Planeta anão Plutão

 

Plutão
Planeta anão Plutão
Planeta anão
Características orbitais
Semi-eixo maior5.906.376.272 km
39,481 686 77 UA
Periélio4.436.824.613 km
29,658 340 67 UA
Afélio7.375.927.931 km
49.305 032 87 UA
Circunferência orbital36,530 Tm
244.186 UA
Excentricidade0,248 807 66
Período orbital248,9 a
90.613,3055 d)
Período sinódico366,73 d
Velocidade orbital média4.666 km/s
Inclinação17,141 75°
Número de Satélites 5
Características físicas
Diâmetro equatorial2306±20 km
Área da superfície1,795×107 km²
Volume7.15×109 km³
Massa(1.305±0.007)×1022 kg
Densidade média2,03±0,06 g/cm³
Gravidade equatorial0,58 m/s2 g
Dia sideral 
Velocidade de escape1,2 km/s
Albedo0,49–0,66
Intervalo de Temperatura-240ºC a -218ºC
média: -229ºC
Composição da Atmosfera
Pressão atmosférica0,30 pascal

Plutão (oficialmente, 1340340 Plutão) é um planeta anão e um plutóide do sistema olar, localizado numa região conhecida como cinturão de Kuiper. Sua órbita, excêntrica, é fortemente inclinada em relação aos planetas. Dos 248 anos que demora a para fazer a translação em volta do Sol, Plutão passa 20 anos mais perto do sol do que Netuno; no restante da órbita, permanece além de Netuno.

Possui um satélite maior chamado Caronte e dois menores, descobertos em 2005 pelo Telescópio Espacial Hubble e que receberam da União Astronómica Internacional (UAI) os nomes mitológicos de Nix e Hidra. Um dos motivos da escolha desses nomes foram as iniciais N e H que coincidem com a Sonda espacial New Horizons, que em 2015 visitará o sistema Plutão - Caronte e também esses novos satélites.

Até 2006, Plutão era contado como um planeta principal; mas a descoberta de vários corpos celestes de tamanho comparável e até mesmo a de um outro objeto maior no Cinturão de Kuiper fez com que a UAI, em 24 de agosto, durante uma conferência da organização, decidisse considerá-lo como um "planeta-anão", juntamente com Éris e Ceres (este último localizado no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter). Plutão é visto agora como o primeiro de uma categoria de objetos trans-netunianos cuja denominação, "plutóides", foi aprovada pela UAI em 11 de junho de 2008.

Em setembro de 2006, a UAI atribuiu a Plutão o número 1340340 no catálogo de planetas menores, de modo a refletir a sua nova condição de planeta anão.

Nomeação

O direito de dar o nome ao novo objeto coube ao Observatório Lowell e a seu diretor, Vesto Melvin Slipher. Tombaugh aconselhou Slipher a sugerir um nome rapidamente para o novo objeto antes que outra pessoa o fizesse. Constance Lowell, viúva de Percival Lowell, propôs Zeus, então Lowell, e finalmente seu próprio nome, sem grande receptividade. Naquela altura, nomes mitológicos, tais como Cronos e Minerva, eram fortes candidatos.

Venetia Phair, na época uma menina de onze anos de Oxford, Inglaterra, foi a primeira a sugerir o nome Plutão. Venetia, que se interessava por mitologia clássica assim como astronomia, sugeriu o nome romano equivalente ao Hades grego, em conversa com seu avô Falconer Madan, um ex-bibliotecário da Biblioteca Bodleiana da Universidade de Oxford. Madan transmitiu a sugestão ao Professor Herbert Hall Turner, que a telegrafou ao Observatório Lowell. Acatado de maneira quase unânime, o nome Plutão foi oficialmente adotado em 1º de maio de 1930. O nome, que começa com PL, também procurou invocar Percival Lowell.

História

O astrônomo norte-americano Percival Lowell foi um de seus investigadores mais dedicados, mas nada descobriu. Doze anos depois de sua morte, seu antigo observatório, o Flagstaff, no Arizona, contratou um astrônomo mais jovem para continuar o trabalho. Plutão foi descoberto em Fevereiro de 1930 pelo jovem Clyde Tombaugh, que na época tinha 24 anos e conseguiu fotografá-lo.

Características físicas

As características físicas de Plutão são, em grande parte, desconhecidas, pois o planeta anão ainda não recebeu a visita de uma nave espacial e a distância da Terra dificulta investigações mais detalhadas.

Órbita

Órbita de Plutão - perspectiva da eclíptica

Órbita de Plutão - perspectiva da eclíptica. Esta "vista lateral" da órbita de Plutão (em vermelho) mostra a sua forte inclinação orbital, em comparação com a órbita mais normal de Netuno (em azul).

Órbita de Plutão - perspectiva polar.

Órbita de Plutão - perspectiva polar. Esta "vista de cima" mostra como a órbita de Plutão (em vermelho) é menos circular do que a de Netuno (em azul). Também demonstra como Plutão por vezes se aproxima mais do sol do que Netuno. As metades escuras de ambas as órbitas correspondem a posições abaixo da eclíptica.

A órbita de Plutão é altamente incomum, comparada com a dos planetas do sistema solar. A translação destes em torno do sol ocorre próxima a um plano imaginário chamado "eclíptica", com órbitas quase circulares. A órbita de Plutão, por outro lado, é fortemente inclinada acima da eclíptica (até 17º) e excêntrica. Devido à inclinação da órbita, o periélio de Plutão localiza-se bem acima da eclíptica (~8.0 UA) . Esta alta excentricidade faz com que parte da órbita daquele planeta anão seja mais próxima do sol do que a de Netuno.

Aparência

A magnitude aparente de Plutão é mais tênue do que 14 m, razão pela qual é necessário um telescópio para observá-lo, de preferência com 30 cm de abertura. Com um diâmetro angular de apenas 0,15”, aparenta ser um objeto estelar mesmo com o uso de grandes telescópios. O planeta anão apresenta uma cor marrom clara com um tom leve de amarelo.

Massa e dimensões

Comparação entre os pares Terra-Lua e Plutão-Caronte

Comparação entre os pares Terra-Lua e Plutão-Caronte (abaixo, à direita).

Mesmo muitas décadas após sua descoberta, a massa e o diâmetro de Plutão continuaram a ser apenas estimadas. Inicialmente, pensava-se que era muito grande, comparável ao tamanho da Terra, mas, com o tempo e observações posteriores, as estimativas foram dramaticamente revisadas para baixo.

A descoberta do seu satélite Caronte, em 1978, permitiu a determinação da massa do sistema Plutão-Caronte por meio da simples aplicação da formulação newtoniana da terceira lei de Kepler. O diâmetro de Plutão foi finalmente medido quando o planeta anão foi ocultado por Caronte, e o seu disco agora pode ser resolvido por telescópios com o emprego de ótica adaptativa.

A massa de Plutão equivale a menos de 0,2 a da Lua, o que torna aquele astro não apenas muito menor do que qualquer planeta mas também com massa e dimensões menores do que sete satélites: Ganimedes, Titã, Calisto, Io, a Lua, Europa e Tritão. Por outro lado, Plutão tem o dobro do diâmetro (e doze vezes a massa) de Ceres, no cinturão de asteroides, e era o maior objeto conhecido no cinturão de Kuiper até a descoberta de Éris em 2005.

Atmosfera

A tênue atmosfera de Plutão compõe-se provavelmente de nitrogênio, metano e monóxido de carbono, em equilíbrio com nitrogênio sólido e gelos de monóxido de carbono na superfície. À medida que o planeta anão se afasta de seu periélio (e do sol), sua atmosfera tende a congelar e a precipitar.

Satélites naturais

Plutão e suas luas.

Plutão e suas luas.

Caronte

Caronte é o maior dos cinco satélites de Plutão e foi descoberto por James Walter Christy em 22 de Junho de 1978. A sua composição e dimensões são ainda muito incertas, devido à distância a que o par Plutão-Caronte se encontra da Terra. Mas as medições feitas mostram que Caronte possui um diâmetro de aproximadamente 1.207 km.

Como se viu nas últimas décadas, todos os planetas distantes tinham mais satélites do que se pensava antes dos vôos espaciais, e nunca foi visitado pelo homem. Entretanto, será visitada pela missão espacial não-tripulada New Horizons em julho de 2015, para novas pesquisas.

De acordo com as novas regras Caronte, o qual era considerado um satélite de Plutão, perde a condição de satélite e passa também a ser um "planeta", um plutono e um planeta anão. Com isso, nós passamos a ter um sistema de planeta duplo orbitando ao redor do Sol.

Hidra

Foi descoberta juntamente com Nix em junho de 2005, pela Equipe de Busca de Plutão do telescópio espacial Hubble, composta por Hal A. Weaver, S. Alan Stern, Max J. Mutchler, Andrew J. Steffl, Marc W. Buie, William J. Merline, John R. Spencer, Eliot F. Young e Leslie A. Young. As imagens da descoberta foram tiradas em 15 de maio e 18 de maio de 2005; os satélites foram avistadas pela primeira vez por Max J. Mutchler em 15 de junho de 2005 e as descobertas foram anunciadas em 31 de outubro de 2005, depois de confirmações obtidas por outras observações. A lua foi designada S/2005 P 1. O satélite orbita o baricentro do sistema no mesmo plano que Caronte e Nix, a uma distância de cerca de 65.000 km. Diferente de outros satélites de Plutão, sua órbita é apenas aproximadamente circular; sua excentricidade de 0,0052 é pequena, mas significantemente diferente de zero. Seu período orbital de 38,2 dias. Embora seu tamanho não tenha sido medido diretamente, estima-se que a lua tenha um diâmetro entre 40 km. Na época da descoberta, Hidra estava cerca de 25% mais brilhante do que sua lua irmã Nix, o que levou à suposição de que seu diâmetro era cerca de 10% maior. Porém, observações posteriores indicaram que as duas luas eram aproximadamente iguais em brilho. Hidra parece ser espectralmente neutra, como Caronte e provavelmente Nix, mas diferente de Plutão, que é avermelhado. Hidra será visitada juntamente com Plutão pela missão New Horizons,Hidra foi anunciado em 21 de junho de 2006, na Circular 8723 da UAI, junto com a designação formal Plutão III. Ela foi nomeada em homenagem à Hidra, o monstro que guardava as águas do mundo inferior de Plutão, na mitologia greco-romana.

Nix

Foi descoberto junto com Hidra em junho de 2005, a lua segue uma órbita circular no mesmo plano que Caronte. Seu período orbital é de 24,9 dias. Embora seu tamanho não tenha sido medido diretamente, estima-se que a lua tenha um diâmetro entre 40 km. Nix tem em média o mesmo brilho de Hidra, sugerindo que as duas luas sejam aproximadamente do mesmo tamanho. Pesquisas preliminares pareciam apontar que Nix era avermelhada como Plutão e diferente das outras luas, mas dados mais recentes mostram que ela é cinza como os outros satélites. Nix será visitada juntamente com Plutão pela missão New Horizons, em 2015. Nix é o nome da antiga deusa grega da noite, a quem os próprios deuses do Olimpo temiam e respeitavam. Era também a mãe de Éris.

P4

A quarta lua de Plutão foi descoberta no ano de 2011 pelo Telescópio Espacial Hubble.

P5

A quinta lua de Plutão foi descoberta no ano de 2012 também pelo Telescópio Espacial Hubble.

Curiosidades

  • Se os humanos vivessem no tempo de Plutão, jamais chegariam ao primeiro aniversário. O Planeta completa sua órbita ao redor do Sol uma vez a cada 248 anos terrestres.

  • A força da gravidade em Plutão é tão fraca que um homem de 70 kg na terra pesaria apenas 4 kg em Plutão.

  • Em Plutão, não é possível respirar. Além do frio insuportável, Plutão tem uma atmosfera muito fina de moléculas de nitrogênio, com vestígios de Monóxido de Carbono e metano. Quando o planeta se distancia do Sol, a atmosfera congela junto a superfície novamente.

  • Plutão é um dos únicos planetas que giram sobre seu eixo horizontal. Urano é o outro. Um dia em Plutão equivale a 6,4 dias terrestres.

  • Um sinal de rádio transmitido na velocidade da Luz leva cerca de quatro horas e meia para ir da Terra a Plutão.

  • A órbita de Plutão em torno do Sol está em ressonância 3:2 com a órbita de Netuno. Isso garante que, mesmo com a projeção das órbitas na eclíptica se cruzando, os dois astros nunca se aproximam.


Política de privacidade  |  Mapa do Site